segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O Remix e a decodificação no design


A imagem é um signo complexo constituído através de um discurso visual que “captura” e conforma um significado (HALL, 2003). O designer enquanto produtor de imagens constrói uma mensagem. Esse processo, não sendo isento de seu aspecto discursivo, constitui-se dentro de um referencial de sentidos e idéias que são gerenciadas por esse profissional da melhor forma possível. Mas em que medida esse controle sobre a formulação de um código seja ela visual, auditivo ou sinestésico, realmente se dá?
Apesar dos processos metodológicos desenvolvidos no campo do desing, o processo de concepção de uma mensagem – aquela que está embutida na representatibilidade da marca de uma empresa, na escolha do papel a ser utilizada, na tipografia – e a discussão da codificação se dá muito além de referências e de uma concepção de códigos visuais pessoais. Essas discussões dizem sobre um vasto campo de estudos acadêmicos da comunicação. São vários os teóricos que passaram a sua vida a analisar de que forma a informação vem a ser comunicada e transmitida em sua totalidade, em seu ruído, em sua conformação inicial. Apesar de ter se iniciado a longos anos e se embrenhado pelas mais variadas formas de linguagem – fotografia, video, cinema, tv, jornal, revista – é uma discussão que está longe de ter um fim. Ao focar o problema sobre o prima do design, ganha-se uma ótica diferenciada a medida em que esse campo por vezes pretende aprisionar um discurso dentro de formas gráficas, enquanto na verdade, o discurso não está contido na forma em si.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Emoções


Recentemente realizei uma coleta de imagens para a faculdade com a temática as emoções na imagem. Nada de muito acadêmico, apenas uma análise e reflexão sobre um conjunto de imagens a minha escolha.

 
Meu interesse inicial era identificar onde se encontra o it que transmite a emoção captada e transmitida. Se esse it era comum a certo tipo de sensação e se eles eram comuns em um determinado grupo, qual seria a diferença que exporia uma emoção diferente.

Primeiramente, busquei a compreensão e o significado de emoções:
-experiência subjetiva, associada ao temperamento, personalidade e motivação.

-do latim emovere, onde o 'e- (variante de ex-) significa 'fora' e movere significa 'movimento'

- Emoção, numa definição mais geral, é um impulso neural que move um organismo para a
ação. A emoção se diferencia do sentimento, porque, conforme observado, é um estado neuropsicofisiológico (Freitas-Magalhães, 2007). 


quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Cartão de Natal

Nesse fim de ano, a maior demanda de criação que tive foi, sem dúvida, cartões de natal. A arte de desejar boas festas precisou ser destrinchada em muitas variações. Numa simples passagem pelas papelarias logo se vê a quantidade desses papelzinhos cheios de brilhos, com ou sem musiquinha. Por mais simples que seja o cartão, quem não fica feliz por ter sido lembrado?
Fiquei muito curiosa a respeito desse ritual de enviar cartões e fiz uma pequena pesquisa. Pulando um pouco a parte das controvérsias sobre a história do Natal, e apesar de que a maioria das fontes que pesquisei dizerem que o primeiro cartão foi feito por Henry Cole, eu discordei um pouco. Ele não foi exatamente o primeiro. Até porque, Sir Henry enviou seu cartão em 1843 - um pouco tarde...
No Império Romano, antes ainda do nascimento de Jesus, já havia o hábito de enviar congratulações pelo Ano Novo gravada em tabletes de argila. Esse costuma permaneceu ao longo dos séculos. Então por que Henry Cole é considerado o "inventor" do cartão? Simples. Ele inventou a massificação do cartão, o cartão comercial. O fundador do Victoria and Albert Museum of London andava sem tempo para escrever à mão todos seus cartões de fim de ano. Além disso, ele queria lembrar seus amigos e conhecidos da necessidade de ajudar os necessitados. Assim, solicitou ao artista plástico John Callicot Housley que pintasse um cartão com, além de pessoas confraternizando, pessoas oferendo comida e vestimenta.






Detalhe para a criança se esbaldando no vinho.

O cartão foi impresso em preto e  branco e colorido à mão. Foram produzidos cerca de 1000 unidades para o "King Cole" e sendo a sobra vendida.