quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Emoções


Recentemente realizei uma coleta de imagens para a faculdade com a temática as emoções na imagem. Nada de muito acadêmico, apenas uma análise e reflexão sobre um conjunto de imagens a minha escolha.

 
Meu interesse inicial era identificar onde se encontra o it que transmite a emoção captada e transmitida. Se esse it era comum a certo tipo de sensação e se eles eram comuns em um determinado grupo, qual seria a diferença que exporia uma emoção diferente.

Primeiramente, busquei a compreensão e o significado de emoções:
-experiência subjetiva, associada ao temperamento, personalidade e motivação.

-do latim emovere, onde o 'e- (variante de ex-) significa 'fora' e movere significa 'movimento'

- Emoção, numa definição mais geral, é um impulso neural que move um organismo para a
ação. A emoção se diferencia do sentimento, porque, conforme observado, é um estado neuropsicofisiológico (Freitas-Magalhães, 2007). 




Já com algumas dicas logo na definição da palavra emoção, defini quais seriam as analisadas. Foi então que achei esse fluxograma bem bacana.
Escolhi para simplificar o processo as emoções básicas: felicidade, medo, raiva e tristeza. Entretanto, é fácil notar através das imagens a presença de emoções cognitivas.

As imagens que nos revelam medo tem em comum o aspecto de não revelar. Isso pode ser dar de variadas formas. Seja pelo aspecto sombrio da imagem que não nos permite ver além, seja por anteparos e figuras do desconhecido. O estranho nos provoca medo.



Quando representado pela pessoa que o sente, o medo trás um misto de contração e expansão em um quase estiramento de músculos talvez um misto de querer ao mesmo tempo se esconder (retração) e fugir (expansão).

A raiva por sua vez é pura contração muscular. De alguma forma parece que ela concentra um tubo de energia que pode explodir. Gosto muito da série do fotógrafo Paulo Picamilho em que ele explora os sinais de raiva pelo corpo. 

Como é possível afirma que essa pessoa está com raiva? Um olho vermelho pode significar inúmeras outras coisas. Onde de fato se encontra essa emoção?

Pode uma estátua ou um animal ter raiva?

Tudo me leva a crer que as emoções possuem um fluxo e uma intensidade que as diferenciam. Por mais opostas que sejam, elas costumam ter efeitos muito comuns como lágrimas, gritos, saltos, aumento da circulação sanguínea. O que as imagens nos contam da tristeza?
A tristeza nas imagens tem uma grande relação com o desconsolo, com a solidão. Mesmo que em um grande números de pessoas, o indivíduo triste, ou grupo, é solitário. Isso faz com que muitas fotos que apresentem unidades em um grande espaço sem relação aparentem tristeza.


Existe uma fuga, seja para o interior ou para o exterior da figura e mesmo que esteja mais perto da decepção e consequentemente da frustração e da raiva, a tristeza não é enérgica. Ela se expande através de uma retenção que toma conta do ambiente.

 
A Felicidade por sua vez, parece tem uma enorme necessidade de se mostrar. Ela quer ser vivida imediatamente, sem vergonha. É um gigantesco movimento de expansão. Dentes que não se permitem ficar guardados. É como um splash na água.






Assim, como a tristeza, ela também toma conta do ambiente, mas diferentemente dela, é através de uma explosão de vibração e não o aniquilamento dela.

 Essa última imagem é meu último questionamento. Ela, apresenta uma retração típica do medo e da tristeza. Um querer se esconder, se individualizar. No entanto, há um algo que nos diz que a menina não chora. Ela ri e vergonhosamente se retrai. Talvez uma risada inapropriada ou a timidez própria da garota. Mas, o que de fato permite dizer que ela sorri?


Nenhum comentário:

Postar um comentário